segunda-feira, 7 de abril de 2008

SICKO



Se existem neste mundo pessoas controversas então Michael Moore está seguramente entre esse grupo. Vi finalmente o último documentário deste realizador" Sicko" e posso afirmar que ele não mudou nada desde o seu último doc. Moore ataca sem piedade o sistema de saúde Americano (será que existe algum?) e os lobbies que as seguradoras de saúde têm nesta área. Sempre crítico, Moore ataca sem dó a sua linda nação que se auto intitula de exemplo para a humanidade. Sem dúvida que é o melhor doc. dele: pouco protagonismo da sua parte e uma mensagem simples: "O que se passa connosco?". Moore viaja por alguns países do mundo para conseguir uma base de comparação com o sistema Americano. Começa pelo País modelo vizinho- Canadá. Mas não fica por ai. Desloca-se também à Europa ( França e Inglaterra). A cartada final é a viagem a Cuba (por incrível que pareça). As comparações são abismais, todos estes países têm um sistema grátis para todos os cidadãos, independentemente do seu estatuto social ou rendimentos. Nos Estados Unidos funcionam os lobbies das seguradoras onde a sua única e máxima preocupação é LUCRAR cada vez mais. É caso para perguntar o porquê de tantas críticas ao nosso sistema de nacional de saúde. Será que se eu vivesse no país mais civilizado do mundo teria um acompanhamento médico tão bom quanto o nosso? Claro que não. No fim, Moore tem um último golpe de génio, quando um "inimigo" virtual, dono de um site anti-Moore, lamenta ter que encerrar o seu site porque não tem dinheiro para continuar aberto de modo a conseguir pagar a cara operação à sua esposa . Moore envia-lhe então um cheque anónimo. O seu inimigo agradece-lhe, chama-o de "anjo da guarda" e admite publicamente que essa foi a única maneira de salvar a sua companheira da morte. No filme, Moore mostra a fotocópia do cheque e demonstra que bastava ao seu "admirador" viver em qualquer país Europeu, no Canadá ou mesmo em Cuba para não ter que pagar um único centavo pela mesma cirurgia.